Que rua é hoje? – setembro

Nunca houve mês tão urbano quanto este que começa, setembro. São quase 30 logradouros diferentes com setembro no nome. Mas isso não significa que seja uma rua por dia, não. Você vai ver:

Na Vila Prudente, quase em São Caetano.

Na Vila Prudente, quase em São Caetano.

E já começamos bem, já que a Prefeitura não sabe explicar o porquê do dia 3 de setembro da praça. Palpites: a independência do Quatar, em 1971, ou outra bem possível dado o histórico da nossa querida ZL: o aniversário de Paulo Maluf, nascido em 3 de setembro de 1931.

Em Pirituba, zona norte.

Em Pirituba, zona norte.

Essa aprazível pracinha na avenida Comendador Feiz Zarzur, em Pirituba, não tem também explicação oficial. Pode ser que o 4 de setembro tenha razão histórica: em 476, deu-se oficialmente a queda do império romano. Já em 1947, o glorioso país africano Burkina Faso foi fundado, então chamado de Alto Volta. E, em 1998, dois nerds americanos fundavam um certo site de pesquisa, não sei se vocês conhecem.

setembro07

No centrão de SP, entre a praça João Mendes e a avenida Liberdade.

Óbvio que o 7 de Setembro é mesmo o nosso Independence Day, data que é especialmente importante para os paulistanos, porque afinal, as margens plácidas do Ipiranga que ouviram o brado retumbante de Dom Pedro I, ainda que bem poluídas hoje em dia, ficam por aqui. E o próprio Pedrão, aliás, exumado recentemente. Mas o Largo em si, ali na frente do Fórum João Mendes, no Centro, tem uma história bem mais antiga: era originalmente o Largo do Pelourinhoonde os escravos eram castigados. De modo a tucanar a história desde cedo, já em 1865 (ou seja, antes mesmo do fim da escravidão), um vereador paulistano resolveu trocar o nome do Largo. Mas é claro que quase toda cidade tem também a sua 7 de Setembro (além da cidade de 7 de setembrono Rio Grande do Sul). E Santo Amaro, quando era uma cidade independente, também tinha – e o nome durou mesmo depois da anexação dela à São Paulo, em 1934. Só em 1978, quando você está careca de saber que surgiu o Banco de Nomes e tentou-se acabar com as vias de nome repetido, que a 7 de setembro santamarense virou a longa e importante…

Que você já viu aqui também que é só o nome de uma antologia de poemas portugueses.

Que você já viu aqui também que é só o nome de uma antologia de poemas portugueses.

Continuando…

Na Penha, ZL.

Na Penha, ZL.

Não há outro bairro melhor para receber a 8 de setembro que a Penha. É que é o dia em que os católicos celebram o dia da padroeira Nossa Senhora da Penha de França, que dá nome ao bairro. Aliás, a tal da Penha de França onde a santa apareceu não é a da ZL: a original é uma serra no norte da Espanha. Já a santa também tem a ver, obviamente, com a Penha carioca (de onde vem o Hélio de la Peña) e a cidade catarinense, que abriga o Beto Carrero World. O curioso do dia 8 de setembro é que como, basicamente, todas as Nossas Senhoras são a mesma Maria (mãe do filho de Deus), é também o dia de várias delas: das Brotas, de Nazaré, de Mont Serrat, da Luz (essa, padroeira de Curitiba), entre outras.

Na Vila Guilherme, zona norte.

Na Vila Guilherme, zona norte.

Essa ruinha de uma quadra na Vila Guilherme homenageia, segundo a Prefeitura, o dia da imprensa. É porque no dia 10 de setembro de 1808, poucos meses depois da fuga da família real lusitana para o Brasil, foi fundado o nosso primeiro jornal: a Gazeta do Rio de JaneiroDia 10/09 também é o dia da independência de Guiné-Bissauem 1974. Achei que você tivesse curiosidade de saber.

Também na Vila Guiherme.

Também na Vila Guiherme.

Bem pertinho da 10, temos a 12 de setembroSegundo a Prefeitura, é porque neste dia, em 1835, começou a Guerra dos FarraposSó que tem um probleminha: em todos os registros históricos consta outra data…

No Jabaquara, zona sul.

No Jabaquara, zona sul.

pois é: de acordo com todas as informações, a gloriosa Revolução Farroupilha foi deflagrada no dia 20 de setembro de 1835, que é o objeto da homenagem desta pracinha. E também de uma certa aldeia…

No Tucuruvi, zona norte.

No Tucuruvi, zona norte.

O curioso é que, segundo o mapa, a tal Aldeia 20 de setembro fica bem longe do Rio Grande do Sul, e sim no município de Comodoro, no Mato Grosso, fronteira com Rondônia e com a Bolívia. Se pá é até uma homenagem dupla, já que naquela região tem realmente muito gaúcho e, mais exatamente onde aponta o mapa (vai lá no google maps), tem muito índio. Tá certo.

Ermelino Matarazzo, ZL.

Ermelino Matarazzo, ZL.

Se você olhar o fundo da placa, já descobre o motivo: o dia 21 de setembro é nada mais, nada menos, que o dia da árvore – algo necessário na área menos arborizada da cidade. Num dia 21/09, em 1776, também rolou o Grande Incêndio de Nova Yorkque queimou quase toda a cidade, cujos prédios então eram construídos de madeira.

No Limão, zona norte

No Limão, zona norte

Segundo a Prefeitura, é simplesmente porque o dia 23 de setembro marca, normalmente, o início da primavera. Que fifonho, não? Num dia 23/09, em 1932, a Arábia Saudita declarava sua independência – exatamente 51 anos depois, São Cristóvão e Névis era admitido como estado membro da ONU. Como sempre, achei que você morria de vontade de saber…

Em Pirituba, zona norte.

Em Pirituba, zona norte.

Já a praça 25 de setembro é uma singela homenagem ao Dia do Rádio, que o é neste dia numa alusão ao aniversário do introdutor desta mídia no Brasil, o senhor Edgar Roquette Pinto, nascido em 25/09 de 1884. Roquettão, que dá nome a praça e rua em São Paulo, fazia de tudo. Foi até médico-legista.

Na comunidade de Heliópolis, zona sul

Na comunidade de Heliópolis, zona sul

Como quase todas as ruas urbanizadas da comunidade de Heliópolis, o nome foi escolhido pelos moradores e não tem nenhuma grande explicação (quer dizer, tem para eles, mas a gente não sabe). Com certeza o 27 de setembro NÃO é a fundação da TV Record, em 1953, nem o dia de Cosme e Damião.

No Ipiranga.

No Ipiranga.

Se é no Ipiranga, já pode chutar que tem a ver com algum evento histórico. E não é só um, mas dois, ainda que relacionados com o mesmo tema. É que no dia 28 de setembro de 1871 entrava em vigor a lei do ventre livre, que libertava todos os filhos de escravos que viessem a nascer a partir desta data. E, em 1885, era a vez dos sexagenários serem automaticamente alforriados. OK que o Brasil foi um dos últimos países a abolir a escravidão, mas deixa pra lá…

Com nome de dia, acabou, mas ainda tem as coisas de setembro:

Na Cidade Tiradentes, ZL.

Na Cidade Tiradentes, ZL.

A Cachoeira Sete de Setembro, segundo a prefeitura, fica na cidade de Ouro Preto do Oeste, em Rondônia. Vou acreditar nela.

No Capão Redondo.

No Capão Redondo.

setembro1983

No Capão Redondo, de novo.

Como você já deve ter visto em outros meses, essas duas travessas aí de cima são apenas parte de uma enorme série dessas quebradas do Capão Redondo relacionadas à data de legalização dos mutirões de moradia da região. Em setembro de 1981, você poderia ter assistido o Grandes Nomes com Ney Matogrosso, no dia 04e ter presenciado a eleição de Lula para a presidência do PTno dia 27. Já setembro de 1983 começou bem, com o desastrado abate de um avião de passageiros coreano, confundido com um caça espião pelos soviéticos, já no dia 1. Já no dia 26, também por mãos soviéticas, mundo poderia ter sido destruído. 

No Edu Chaves, zona norte.

No Edu Chaves, zona norte.

Uma travessinha da avenida Jardim Japão, Chuva de Setembro é daquelas adoráveis preferências do Banco de Nomes: composições musicais pra lá de obscuras. É o caso de Chuva, uma peça musical para voz e piano composta em 1973 por um certo Rui Cirne Lima.

José Bonifácio, ZL.

José Bonifácio, ZL.

Você deve estar estranhando Sol de Primavera aqui na lista. Mas só se nunca tiver ouvido a música do Beto Guedes, que já começa com setembro, e que ficou famosa na abertura da novela Marina, em 1980:

Anúncios

Ruas musicais – parte 2

Como você já está careca de saber ao ler esse blog, o Banco de Nomes era bastante culto ao escolher nomes de músicas. Nada de MPB. Apenas composições de música erudita, preferivelmente dos artistas menos populares possíveis – daí que veio nossa querida Borboletas Psicodélicas, por exemplo, além de óperas mais conhecidas:

Não dá pra ver direito mas é o Barbeiro de Sevilha, tremenda quebrada em São Lucas, fronteira com Santo André (onde passa a se chamar São José).

Não dá pra ver direito mas é o Barbeiro de Sevilha, de Rossini. A rua está numa quebrada em São Lucas (ZL), fronteira com Santo André (onde passa a se chamar São José).

Mas eis que, a partir dos anos 90, a coisa ficou mais democrática, com o advento do Jardim da Conquista, que também citei no outro post. Os moradores colecionaram tantos nomes de canções da nossa música que até sobrou para serem jogados em outras da cidade (predominantemente, na zona leste. Poucas estão fora dela). Senão vejamos:

Me dá IBAGENS, cobandante HABILTON

Me dá IBAGENS, cobandante HABILTON

Lembra do tempo em que o Datena estava na Record e o Comandante Hamilton pilotava o Águia Dourada (que até caiu tempos depois)? Pois é: lamento, mas essa travessa, do Jardim da Conquista, não tem nada a ver com ele, mas com esta música, do Roberto Carlos.

Fica no Jardim São Luís (zona sul), travessa da Carlos Caldeira Filho.

Fica no Jardim São Luís (zona sul), travessa da Carlos Caldeira Filho.

Orfeu da Conceição é aquela peça do Vinícius de Moraes, de 1954, que originou dois filmes chatíssimos: o francês, de 1959, e o nacional (com Toni Garrido). É dela que vem a clássica Se Todos Fossem Iguais a Vocêda trilha composta com a ajuda de Tom Jobim.

O que você pensa quando ouve "banquete dos signos"? Uma bandeja de gêmeos, uma salada de áries? A rua está no Jardim Tamoio, na ZL.

O que você pensa quando ouve “banquete dos signos”? Uma bandeja de gêmeos, uma salada de áries? A rua está no Jardim Tamoio, na ZL.

Não: é só uma música do Zé Ramalho, que você provavelmente já ouviu mas não sabia o nome. Zé Ramalho é um dos preferidos do banco de nomes do povão:

Eu vou te jogar num pano de guardar confetes

“Eu vou te jogar num pano de guardar confetes.  (…)Isso explica porque o sexo é assunto popular”

Chão de Giz, que também está na região de Itaquera, é uma das mais geniais do irmão da Elba: “fotografias recortadas em jornais de folhas”. Mas eu até que gosto. Mas olha só: toda vez que tem alguém tocando música (qualquer uma), você invariavelmente ouve um bêbado gritar:

TOCA RAUL

TOCA RAUL

TOCA RAUL!!!!!!

E sobra repertório do maluco beleza: 

Um dia vou achar um Corcel 73, parar aí nessa rua da Vila Jacuí (ZL) e tirar uma foto ao lado da placa.

Um dia vou achar um Corcel 73, parar aí nessa rua da Vila Jacuí (ZL) e tirar uma foto ao lado da placa.

Na regravação do Camisa de Vênus, o carro citado muda: é um Monza 1986.

Essa não é tão conhecida, mas é do Raul (e do Paulo Coelho). Fica na Vila Jacuí (Parque São Carlos para os íntimos).

Essa não é tão conhecida, mas é do Raul (e do Paulo Coelho). Fica na Vila Jacuí (Parque São Carlos para os íntimos).

Planos de Papel é uma das músicas da trilha da novela O Rebu, de 1974, composta inteiramente por Raul e Paulo Coelho. Antes de ser relançada em CD foi uma dos LPs mais raros entre colecionadores: passava dos 1000 reais. Mas no disco, não era ele quem cantava, mas sim uma marrom ainda desconhecida: Alcione. Cabô Raul? Não:

Essa rua tem "o início, o fim e o meio" - e também está no Jardim Tamoio.

Essa rua tem “o início, o fim e o meio” – e também está no Jardim Tamoio.

Gîta só não teve o primeiro clip em cores da história da TV porque o Fantástico daquele dia de 1974 tinha passado um outro de uma cantora desconhecida minutos antes… Uns bons anos depois, em 1998, seria a música de abertura da novela Bridabaseada no romance do co-autor Paulo Coelho e que foi a pá de cal da finada TV Manchete.

O vento voa e varre as velhas ruas - e a Novo Aeon não fica de fora.

O vento voa e varre as velhas ruas – e a Novo Aeon não fica de fora.

Paralela à Gita, temos a Novo Aeon, uma das mais doidas do Raulzito – e que inspirou até uma doidinha que participava de programas na MTV e virou um velho meme. E como gostam dele, porque ainda tem mais:

areiadaampulheta_raulseixas

Essa é deprê… e fica um pouco mais longe das outras, no centro da Cidade Tiradentes

E não é pra menos. Areia da Ampulheta é do penúltimo disco dele, A pedra do Gênesis, lançado em 1988, meses antes da sua morte. A própria voz dele (como você pode ouvir no link), já estava bem cansada. E, tão logo ele morreu, foi sua vez de virar rua (na verdade antes de todas essas acima):

São CINCO ruas Raul Seixas em São Paulo!

São CINCO ruas Raul Seixas em São Paulo!

Mas não se anime: a única que é reconhecida pela Prefeitura é a do Itaim Paulista. As outras são de loteamentos que resolveram escolher o nome das ruas por conta própria – e que logo o Banco terá de bolar algum não-repetido.

Raul não tem saída

A rua do Raul não tem saída

Pra fechar, que tal uma sopa pra nóis? Ou melhor, um pagodinho pra nóis da melhor qualidade? Vamo caí pra dentro então com eles, os gloriosos (ouça na voz do Faustão) garotos do:

Não é por acaso que fica no Grajaú (zona sul)

Não é por acaso que fica no Grajaú (zona sul)

É que o grupo que outrora fora liderado por Salgadinho nasceu ali, no extremo sul da cidade. A origem do nome é curiosa: Katinguelê, é, na verdade, um termo equivalente à “café-com-leite” entre os jogadores de capoeira – e é como os então jovens pagodeiros se sentiam no início da carreira. você sabia??

Calma, logo volto ao assunto músicas. Sei que você e os outros 17 leitores do blog não aguentam de ansiedade.